Postado em 10.07.09 em Curiosidades, Humor por Jorge Alves

Área cerebral responsável pela emoção encontrada num peixe morto

Área cerebral responsável pela emoção encontrada num peixe morto

fmri-peixe-morto

Um interessante, simples e divertido estudo encontrou activação no cérebro de um peixe morto (concretamente num salmão) enquanto este “via” imagens de faces humanas. Claro que este achado só podia estar ligado a testes estatísticos e mais precisamente à necessidade de controlar a ocorrência de erros do Tipo I (falsos positivos) nos estudos que recorrem a fMRI…

Tal necessidade surge pois, usualmente, neste tipo de estudos se recorre a múltiplas comparações. Ou seja, efectuam-se diversos testes estatísticos o que por si mesmo aumenta a probabilidade de encontrar algum resultado de interesse, ainda que por acaso. Poderíamos fazer uma analogia a disparar uma arma para o ar de forma aleatória mas repetidamente; assim, se realizássemos um número muitíssimo elevado de disparos talvez acertássemos num pássaro, ou em outra coisa qualquer, por mero acaso e sem estarmos à espera (provavelmente esta analogia bélica deve ter sido a pior analogia de sempre nas áreas da estatística e da neurociência…).

Em vez de continuar com analogias recomendo que leiam as reflexões que podem encontra em blogs como Neuroskeptic, Mind Hacks e no blog de um dos autores do estudo, o blog Prefrontal.org.

Adicionalmente, podem ler mais sobre aspectos a ter em conta na investigação com recurso a imagiologia no post “Estudos de imagiologia cerebral postos em causa“.

Related Posts with Thumbnails

Sobre o autor:  Jorge Alves é Doutorado em Psicologia. Neuropsicólogo Clínico. Investiga na área das Neurociências. Criador e autor principal do Portal RedePsicologia.com.



Subscrever Comentários Comentar | Trackback |
Etiquetas: , , ,

Posts anteriores


Deixe aqui o seu comentário

Se pretende fazer uma pergunta sobre este artigo verifique primeiro se a mesma já foi respondida nos comentários. Devido à grande quantidade de comentários e e-mails que recebemos, nem sempre é possível uma resposta imediata. Contudo, tentamos dar resposta a todos os leitores.