Embora seja muito céptico ao que vou apresentar neste artigo resolvi escreve-lo mas encorajo a um juízo crítico por parte do leitor.

O The New York Times publicou um artigo onde se refere que a análise estatística de determinadas palavras no texto escrito pode elucidar sobre o estado mental do autor.

James Pennebaker tem investigado esta área e afirma, em estudos, que a escrita pode ajudar na recuperação de acidentes e aumentar as defesas do sistema imunitário em pacientes com HIV.

Fica aqui uma lista dos seus estudos.

Devo confessar que continuo céptico. Se acharem interessante podem sempre analisar a frequência das palavras que usei neste post ou uso no site. ;)

Fonte: Mind Hacks

Artigos relacionados


Subscrever coment�rios Comentários | Trackback |
Post Tags:

Posts anteriores


Comentários ( 2 )

Acho que é daquelas áreas de estudo como a linguagem corporal. Poderemos aprender em linhas gerais, como que “ganhar uma sensação” do objecto de estudo mas quando se trata de casos específicos, ou é um num milhão que se enquadra perfeitamente ou então nunca vai ser certo. Pode servir de orientação, como a maioria dos testes, mas acho que nunca servir de instrumento de diagnóstico ou algo do género. Penso que por exemplo nos casos que é relatado no que diz respeito por exemplo a pacientes com HIV, não li o estudo, mas a meu ver isso dever-se-á mais ao facto da significação e sentido dado ao acto de escrever e construir significados. Trabalhar esta escrita é também trabalhar a mente do indivíduo. Trabalhar a mente é também trabalhar o corpo e toda a “gestalt” do indivíduo.

:)

joão added these pithy words on Out 20 08 at 20:20

@joão Obrigado pelo seu contributo para a discussão. Penso que posso fazer minhas as suas palavras pois também tenho bastantes (eufemismo) dúvidas sobre a validade da “técnica”.

Jorge added these pithy words on Out 20 08 at 23:16

Comentar...


XHTML: Pode usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>