Posso confiar em ti? | Avaliar a confiança na face/cara

A evolução traz adaptações benéficas e outras menos boas. Segundo um artigo do Boston Globe sobre psicologia da confiabilidade/confiança, os vigaristas podem aproveitar uma destas adaptações.

Os seres humanos tendem a avaliar faces do contínuo “contente” como mais confiáveis, e faces do contínuo “raiva” como não confiáveis. Existem várias características fisionómicas já caracterizadas na literatura.

Claro está, a primeira impressão pode enganar (pelo menos ao que diz respeito a a cara) como diz o ditado “Quem vê caras não vê corações.”. Como curiosidade refiro também que já li um estudo (não me lembro da fonte por isso verifiquem e não citem isto) em que faces de pessoas de meia idade com experiências adversas e com história criminal foram avaliadas como mais rudes e menos confiáveis. A explicação era que com o decorrer do tempo (e das experiências) a cara “retinha” a expressão mais utilizada ao longo dos anos. Em idade mais avançada estas “marcas do tempo e da vida” seriam já mais perceptíveis. Nestes casos a primeira impressão seria fiável. (Se alguém conhecer o artigo em questão que deixe a referência, obrigado.).

Nota: Existem outras formas de obter a “confiança” tal como exemplificado no sketch “Look into my eyes” da série Little Britain. Vale a pena ver.

Artigos relacionados


Subscrever coment�rios Comentários | Trackback |
Post Tags: , ,

Posts anteriores


Comentar...


XHTML: Pode usar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>