Postado em 12.20.10 em Curiosidades por Jorge Alves

Vibrações fantasma

Vibrações fantasma

telemóvelAs “vibrações fantasma” consistem em alucinações sensoriais por vezes experimentadas por pessoas que transportam telemóveis ou pagers quando estes não estão na realidade a vibrar.

Segundo um estudo desenvolvido junto do staff de um centro médico, 68% dos 169 participantes que responderam ao inquérito referiram já ter experimentado “vibrações fantasma”.

Desta forma esta experiência parece ser bastante comum e até muito frequente em algumas pessoas (em 13% dos inquiridos estas alucinações eram diárias.)

Será importante notar que a palavra “alucinação” se refere a uma percepção sem ter existido um estímulo, não implicando por si só nem necessariamente nenhuma patologia. Aliás, as “vibrações fantasma” sendo bastante prevalentes parecem apoiar a hipótese de as experiências alucinatórias existirem num contínuo que varia entre o comum e o patológico.
Actualmente existem dados que mostram que é possível surgirem alucinações de forma espontânea, e mesmo sem nenhuma fonte de stress ou ingestão de drogas, numa percentagem significativa de pessoas sem nenhuma patologia subjacente.
Mais ainda, neste caso as experiências não deviam incomodar uma grande parte dos inquiridos pois 39% dos mesmos não recorriam sequer a nenhuma estratégia para tentar terminar estas experiências.

Para quem estiver interessado em parar ou diminuir este tipo de experiências existem algumas estratégias simples que as os participantes do estudo utilizaram com relativo sucesso: desligar o modo de vibração, ou mudar a localização do dispositivo, entre outras.

Link para o artigo: “Phantom vibration syndrome among medical staff: a cross sectional survey“.

Related Posts with Thumbnails

Sobre o autor:  Jorge Alves é Doutorado em Psicologia. Neuropsicólogo Clínico. Investiga na área das Neurociências. Criador e autor principal do Portal RedePsicologia.com.



Subscrever Comentários Comentar | Trackback |
Etiquetas: ,

Posts anteriores


Deixe aqui o seu comentário

Se pretende fazer uma pergunta sobre este artigo verifique primeiro se a mesma já foi respondida nos comentários. Devido à grande quantidade de comentários e e-mails que recebemos, nem sempre é possível uma resposta imediata. Contudo, tentamos dar resposta a todos os leitores.