Postado em 09.27.08 em Outros por Jorge Alves

Psicologia da arte

A psicologia da arte é um campo interdisciplinar que estuda a percepção, cognição e as características da arte e da sua produção. Para a utilização de materiais modernos, como uma forma de psicoterapia, veja arte terapia. A psicologia da arte arquitectónica está relacionada à psicologia e psicologia ambiental.

O trabalho de Theodor Lipps, uma investigação baseada em Munique psicólogo, desempenhou um papel importante no início do desenvolvimento do conceito de arte psicologia no início da década do século XX. Sua contribuição mais importante a este respeito foi a sua tentativa de teorizar a questão da Einfuehlung ou “empatia”, um termo que viria a tornar-se um elemento-chave para muitos subsequentes teorias da psicologia da arte.

Em sentido estrito, não há disciplina “a psicologia da arte”, ao contrário de outros ramos da psicologia, com suas inúmeras academias e programas de pesquisa, existem poucos programas Psicologia da Arte na universidade. No entanto, a literatura sobre o tema é extensa, uma vez que as questões abordadas pela arte psicologia tem atraído tanto profissionais como psicólogos, bem como não-profissionais, o que tem atraído aqueles que escrevem sobre as artes, incluindo a música ea arquitectura, e aqueles que produzi-lo.

Os princípios gerais que norteiam a maioria dos trabalhos na arte psicologia são

1. que a arte é perceptivo, e que pode assim ser estudado fazendo perguntas sobre as nossas percepções.
2. que a arte opera em um continuum e cultural que se pode chegar a termos com o contínuo através da análise do art.
3. que a produção de arte é uma empresa e, como tal, é uma importante avenida pela qual trata de uma matéria com a criatividade humana.

Arte psicologia desenvolvido em oposição ao século 19 filosófica estética, que abordou pela primeira arte perguntando sobre a beleza e a metafísica. Para a maioria dos psicólogos arte, a beleza é culturalmente ou socialmente contingente. Arte psicologia, contudo, foi também desenvolvido inicialmente em oposição a Husserlian fenomenologia, que não fez qualquer sentenças normativas sobre o sentido. A maior parte dos ramos de arte psicologia enfatizar o primado da consciência, mas existem variantes que envolver a questão do subconsciente. De modo geral, porém, os interessados em psicologia do arte expressar um optimismo sobre arte e seus significados, que se move-los longe da conceitos discutidos por Freud.

Wikipedia.org

Related Posts with Thumbnails

Sobre o autor:  Jorge Alves é Doutor em Psicologia. Investiga na área das Neurociências. Criador e autor principal do Portal RedePsicologia.com.



Subscrever Comentários Comentar | Trackback |
Etiquetas:

Posts anteriores


Comentários ( 2 )

Boas! Muitos parabêns pela iniciativa da rede psicologia. Já recolhi aqui alguma informação interessante e já me vou divertir a viajar pelo orgão mais fascinante do universo. Mas não deixei de notar, que por exemplo, este post foi todo ele de fonte do wikiknowloedge. Não que eu seja contra a wiki, mas não é científco. Existem muitos erros na wikipédia. Eu próprio custumo viajar pela wiki horas e horas, mas não fio. Sendo a rede de conteúdo de discussão científica, penso que perder mais 5m, por exemplo sobre a psicologia da arte, a procurar um artigo cientifico (nem que seja em inglês), facilmente encontram. Ou, pegando no conhecimento da wikipédia, geralmente ele menciona um autor importante em determinado assunto, e através das palavras chave chegar a uns quantos artigos cientificos. Por exemplo, a http://www.scielo.com tem artigos interessantes e em português. Não resiste a dar a minha opinião, pois penso que quanto mais científicos formos, mais ganhamos todos.

ps: E já nem vou falar de downloads de gigas e gigas ilegais de livros e filmes de psicologia que existem aí á solta na net…

É apenas a minha opinião

Melhores cumprimentos

joãoNo Gravatar deixou este comentário em Out 13 08 ás 1:14

Bem vindo. Concordo com o seu comentário, João. Apenas gostaria de acrescentar que mesmo utilizando bases de dados (ex: scielo, Medline, PsychInfo) o julgamento crítico do leitor não pode nunca ser omitido. Infelizmente o artigo estar publicado numa base de dados não garante totalmente a sua “cientificidade”.

Aguardo mais comentários seus.
Abraço.

JorgeNo Gravatar deixou este comentário em Out 14 08 ás 14:49

Deixe aqui o seu comentário

Se pretende fazer uma pergunta sobre este artigo verifique primeiro se a mesma já foi respondida nos comentários. Devido à grande quantidade de comentários e e-mails que recebemos, nem sempre é possível uma resposta imediata. Contudo, tentamos dar resposta a todos os leitores.




Content Protected Using Blog Protector By: PcDrome.