Postado em 09.03.08 em Outros por Jorge Alves

Precisas de dormir. A sério?

Precisas de dormir. A sério? – alguém tem ouvido isto nos últimos tempos

Não, o post/artigo não é sobre noitadas académicas. Bem, afinal até tem a ver pois este artigo demonstra as funções (evolutivas) do sono e a necessidade de dormir.

Conforme um artigo recente não existem provas conclusivas sobre animais que não dormem, que se possa passar sem sono (privação) e não pagar as consequências ou que não seja necessário compensar a falta de sono de outra forma.

O sono servirá então funções essenciais: regular funções corporais centrais, o cérebro, células individuais. isto não pode ser feito durante o estado de vigília.

As funções e especificidade do sonho é que ainda precisam de muita mais investigação.

Related Posts with Thumbnails

Sobre o autor:  Jorge Alves é Doutorado em Psicologia. Neuropsicólogo Clínico. Investiga na área das Neurociências. Criador e autor principal do Portal RedePsicologia.com.



Subscrever Comentários Comentar | Trackback |
Etiquetas:

Posts anteriores


Comentários ( 2 )

às vezes deparo comigo e com os meus pensamentos e fico surpreendida.Estava a pensar que gostaria de fazer uma pesquisa sobre a temática do sonho e do sono, e que irá ser abordada por um grupo de alunos na Área de Projecto, na Escola Secundária D. Afonso Sanches – Vila do Conde. Este artigos chegaram-me no meio desta cogitação! São oportunos e muitos interessantes ! Acho que este portal é bastante útil e interessante…chega quando nós mais precisamos dele!Obrigada.

ana rosa leiteNo Gravatar deixou este comentário em Out 17 09 ás 20:31

vou fazer a devida divulgação da rede junto dos meus alunos e agradeço a gentileza da vossa resposta. Através deste meio, creio que já consegui estabelecer contacto com um psicólogo clínico que nos irá ajudar a fazer a sensibilização para a disciplina de psicologia e para a sua importância para todos nós! Mais uma vez, obrigada!

ana rosa leiteNo Gravatar deixou este comentário em Out 18 09 ás 19:57

Deixe aqui o seu comentário

Se pretende fazer uma pergunta sobre este artigo verifique primeiro se a mesma já foi respondida nos comentários. Devido à grande quantidade de comentários e e-mails que recebemos, nem sempre é possível uma resposta imediata. Contudo, tentamos dar resposta a todos os leitores.