Postado em 02.10.10 em Curiosidades por Jorge Alves

O racismo deve-se a ilusões perceptivas?

O racismo deve-se a ilusões perceptivas?

Esta é uma pergunta pouco usual que Mark Changizi faz e que nos leva a (re)pensar alguns conceitos. Ora veja (ou melhor, leia).

O autor do livro The Vision Revolution baseia o seu argumento nas noções de que as pessoas percepcionam as outras “raças” com base nas cores fundamentais e que a única pele que não é colorida (à qual não é aplicada o atributo cor) é a do próprio. Confuso?

Talvez um exemplo ajude. Quando percepciono a minha saliva esta não tem sabor, o mesmo se aplica em relação ao meu próprio cheiro do nariz. No entanto percepciono a saliva de outra pessoa como tendo sabor e posso cheirar o cheiro do nariz de outra pessoa (este é um exemplo pouco usual mas foi dado pelo autor do artigo).

Desta forma, posso percepcionar o meu tom de pele sem cor mas como estou (biologicamente) preparado para percepcionar diferenças em relação a uma linha de base (neste caso uma linha de base muito egocêntrica) percepciono as restantes pessoas como tendo uma cor.

Isto implica que o que se desvia pouco da minha linha de base é categorizado como “não colorido” e o que se desvia mais um pouco como “colorido”. Uma analogia pode ser feita com a pronúncia: nós próprios não percepcionamos que temos uma pronúncia específica nem que aqueles que falam de forma muito similar a nós a têm, contudo quando alguém se desvia da nossa “linha de base” não duvidamos em dizer que essa pessoa tem uma pronúncia.

Para ter acesso a uma explicação mais detalhada do argumento pode ler o texto original: “Is Racism Due To Perceptual Illusions?“.

Related Posts with Thumbnails

Sobre o autor:  Jorge Alves é Doutorado em Psicologia. Neuropsicólogo Clínico. Investiga na área das Neurociências. Criador e autor principal do Portal RedePsicologia.com.



Subscrever Comentários Comentar | Trackback |
Etiquetas: , , ,

Posts anteriores


Deixe aqui o seu comentário

Se pretende fazer uma pergunta sobre este artigo verifique primeiro se a mesma já foi respondida nos comentários. Devido à grande quantidade de comentários e e-mails que recebemos, nem sempre é possível uma resposta imediata. Contudo, tentamos dar resposta a todos os leitores.