Postado em 01.29.10 em Notícias, Saúde e Doença por Jorge Alves

Novos tratamentos em comprimido para a Esclerose Múltipla revelam eficácia

Foram revelados estudos que apontam que dois novos medicamentos destinados a tratar a Esclerose Múltipla são mais eficazes do que os tratamentos anteriores.

Mas quase que talvez o dado mais surpreendente para quem está familiarizado com a patologia é que tais medicamentos estão disponíveis na forma de comprimido, ao invés das tradicionais injecções que apenas delongam a evolução da doença.

Link: “Oral Therapy for Multiple Sclerosis — Sea Change or Incremental Step?

Related Posts with Thumbnails

Sobre o autor:  Jorge Alves é Doutorado em Psicologia. Neuropsicólogo Clínico. Investiga na área das Neurociências. Criador e autor principal do Portal RedePsicologia.com.



Subscrever Comentários Comentar | Trackback |
Etiquetas: , ,

Posts anteriores


Comentários ( 2 )

Olá, primeiramente gostaria de parabeniza-lo pela matéria. Matárias positivas como essa dão esperança as pessoas que passam por essa doênça. Tenho uma namorada que chora comigo ao telefone toda semana, é como se eu sofresse junto com ela.
Poderia me informar se esse medicamento esta a venda no Brasil ou no se apenas no exterior, por qual empresa, quanto custa?
Muito obrigado pela atenção.
Um abraço
Eduardo Siqueira

Eduardo SiqueiraNo Gravatar deixou este comentário em Fev 13 10 ás 0:44

@Eduardo Siqueira Olá. Não sei se o medicamento está à venda no Brasil. No momento em que o artigo foi publicado o medicamento “cladribine” (da Merck) eestava a ser usado para tratar a leucemia e o “fingolimod” (da Novartis) ainda não estava à venda (dados respeitantes ao Reino Unido).
Em todo o caso tente obter informações junto do Ministério da Saúde, onde poderão indicar mais dados.
De nada.

Jorge AlvesNo Gravatar deixou este comentário em Mar 06 10 ás 21:38

Deixe aqui o seu comentário

Se pretende fazer uma pergunta sobre este artigo verifique primeiro se a mesma já foi respondida nos comentários. Devido à grande quantidade de comentários e e-mails que recebemos, nem sempre é possível uma resposta imediata. Contudo, tentamos dar resposta a todos os leitores.